O trabalho com afirmações funciona? Ou não?

Estou tentada a questionar: para si funciona, ou não? :)
Convém recordar que falamos de técnicas, auxiliares que utilizamos num trabalho profundo de mudança de consciência, de exploração de cada um de nós. Depois de alguns anos a trabalhar com a filosofia de Louise Hay, na qual fiz formação, sentir-me-ia tentada a dizer “sim, funcionam, mas…”

E é neste “mas” que entram os pontos subjacentes à questão inicial. Não é a técnica que está errada. Mas... como é que trabalha com afirmações???

Tal como com a visualização criativa, aquilo que trás mudança são as emoções, as sensações provocadas por determinada situação. Por isso, quando fazemos uma determinada afirmação, ela deve ser CONSCIENTE, ou seja, devemos pensar verdadeiramente no significado das palavras que proferimos ou escrevemos. Quando o fazemos com consciência, também sentimos claramente as resistências que fazemos a determinada afirmação, tornando-se fácil aceder às crenças limitativas que nos habitam e segundo as quais vivemos. E estas crenças têm de ser trabalhadas.

Muitos de nós, ao trabalharmos com afirmações, sentimos que estamos a “enganar-nos”. E essa sensação dá-nos tanta informação acerca das “afirmações” que utilizamos diariamente na nossa vida, de forma inconsciente… porque as usamos. Quais são as suas afirmações inconscientes? Ponha-as a claro, pense nelas, trabalhe sobre isso e, depois, substitua-as com as afirmações conscientes. CONSCIENTES!!!!

Muitas vezes, o próprio trabalho com as afirmações leva-nos a conhecer e ultrapassar barreiras importantes. Imagine que tem medo de falar em público. Sente angústia, ansiedade, suores frios só de pensar nisso. Quando fala, costuma gaguejar, olhar para baixo e ter a sensação de que “não sabe onde colocar as mãos”.
Começa a fazer visualizações onde se vê cheio/a de energia e confiança, a falar para um público que o/a escuta avidamente. Afirma para si que se sente confiante e poderoso/a quando fala em público. E percebe que, nas suas imagens, não costuma gaguejar, e move-se de uma forma adequada. Percebe que é possível e começa a fazer um curso sobre técnicas de falar em público. E, sem se dar conta, começa a mover-se em direcção ao seu objectivo e não contra ele. Acredite, as afirmações foram uma parte importantíssima do processo. Por vezes, nem é necessário um treino adicional. Existem casos em que este trabalho, só por si, muda as crenças que temos acerca de determinada situação.

Tal como no trabalho com a visualização, o importante vivenciar, com todos os sentidos, aquilo que verbalizamos. Experimente utilizar as duas técnicas em conjunto. Visualização e afirmações. Esteja a vivenciar aquilo que afirma, quando fizer as afirmações. Use-as como um mantra.

Alguns pontos:
- estabeleça objectivos; quando faz uma afirmação é importante que esta seja uma técnica para o/a ajudar a chegar onde pretende e não a meta em si;
- use as suas palavras de poder (as que têm para si significado) na construção de afirmações; estas devem ser suas;
- as afirmações usam-se na primeira pessoa e no presente (se está a vivenciar algo, está a sentir algo agora);
- não utilize afirmações para outros; é o seu desenvolvimento pessoal, a sua viagem!


Trabalhe a gratidão. Concentre-se no que tem, no que é, e não na escassez dessas coisas. Experimente!
 


Comments




Leave a Reply


Desenvolvimento Pessoal, Louise Hay, Deusas, Arquétipos, Psicologia, Terapia, coaching