Picture
Visualização criativa significa, mais uma vez simplificando, criar imagens na nossa mente. Depois, usamos essas imagens em nosso benefício, uma vez que para a mente, aquilo que os olhos vêem e aquilo que imaginamos é, quase (quase) a mesma coisa. Na verdade, as sensações que uma imagem, vista ou imaginada, provoca no corpo são as mesmas.

A Visualização, ou Imagética, é usada há muito, no campo da psicologia, na área da saúde e do desporto, com resultados comprovados. Imaginar as nossas células e regenerarem-se, ou vermo-nos a atingir um objectivo pelo qual nos esforçarmos são fórmulas utilizadas com frequência.

Por isso, e porque sabemos que o cérebro cria as mesmas sensações para o que visualizamos e para a realidade, esta técnica é poderosíssima quando pretendemos mudar aspectos da nossa vida, criar motivação e novas oportunidades ou, pura e simplesmente, chegar mais longe.

Porém, se por um lado, não basta fechar os olhos e ver as imagens a passarem, por outro lado, muitos de nós resistem a esta prática tão simples e prazerosa por razões muito pouco reais, tais como “não sei visualizar” ou “não consigo ver imagens nítidas”.

De facto, o que se pretende é que o cérebro sinta as sensações que teria, se vivesse aquilo que imaginamos. Por isso, são os cinco sentidos (as nossas portas para o exterior) que estão em acção, não apenas aquilo que vemos. E quanto a não saber visualizar? Vejamos.

- Se puder, pegue numa belíssima maçã. Caso não tenha uma à mão, olhe para a imagem da maçã. Depois de alguns segundos, largue a maçã – ou a imagem – e feche os olhos. Consegue ver a sua maçã? Olhe para ela de vários ângulos. Qual é a sua cor, o brilho?

- Agora, na sua mente, cheire a maçã. Sinta o seu perfume. É adocicado, ácido? Sente-se a salivar, com vontade de a morder?

- Focalize, agora, na textura da maçã, o que sentem os seus dedos, enquanto lhe pega? É macia? Leve, pesada?


- Sentiu uma maçã nas suas mãos? Não precisa de dar nota 10 a todos os sentidos, basta que, no conjunto, saiba que – ainda que por instantes – teve uma maçã nas suas mãos. Isto é visualização criativa!

Treine-se mais! Use várias situações.
- Pense num amigo e vejo-o à sua frente. Imagine-o a rir.
- Imagine-se a conduzir numa estrada poeirenta.
- Veja-se a atirar uma bola.
- Imagine a casa onde viveu em criança.
- Imagine-se sentado/a na areia de uma praia.
- Imagine um cão a ladrar!


E, em todas estas situações, use todos os sentidos. Esteja lá.
Depois, comece a imaginar aquilo que o/a faz feliz, imagine-se verdadeiramente bem. E desfrute.

 


Comments




Leave a Reply


Desenvolvimento Pessoal, Louise Hay, Deusas, Arquétipos, Psicologia, Terapia, coaching